segunda-feira, janeiro 15, 2007

O paradoxo dos gays e dos perfumes

Veio ontem na minha cabeça um paradoxo interessante. É sobre a questão de que tipo de perfume faz uso um gay.

Sejam dois gays imaginários. Vamos dar-lhes nomes, A e B.
Então:

1) A quer que B se sinta atraído por ele, como B é um homem então A deve usar um perfume feminino.
2) A está interessado num homem, ou seja B deve usar um perfume masculino.

Trocando A por B chegamos também ao seguinte:

3) B que que A se sinta atraído por ele, como A é um homem então B deve usar um perfume feminino.
4) B está interessado num homem, ou seja A deve usar um perfume masculino.

Combinando as quatro teses dois a dois ( 1 e 4, 2 e 3) chegámos à conclusão de que um gay deve usar um perfume feminino e masculino ao mesmo tempo.

Estámos aqui perante um problema gravíssimo. :)

3 Bitaites:

gay B mandou o bitaite...

por acaso essa ideia de paradoxo não te terá surgido enquanto escolhias um perfume para comprar?

cocacolaMAN mandou o bitaite...

caga nisso....nao gastes dinheiro...a malta gosta é de cheiro a cavalo!!!

Paulo Alemão mandou o bitaite...

gay b

Não. Essa ideia do paradoxo surgio me depois de ter lido no livro O gene Egoista de Richard Dawkins sobre a aplicação do dilema dos prisioneiros a contextos biológicos.
Embora que o paradoxo apresentado por mim não seja um caso de dilema dos prisioneiros cheguei a esse paradoxo.