sexta-feira, dezembro 08, 2006

Reflecção sobre ética

Este post é sobre um assunto que me deu a pensar nos últimos dias. É a questão da ética, portanto quem não gosta de Filosofia não leia este post.

1) Qual a definição de ética?

A ética procura resposta à questão de como devemos agir numa dada situação. Segundo Immanuel Kant (1724-1804) a ética procura dar resposta à questão: O que eu devo fazer?
Os seus resultados são dados normas éticas aplicáveis que dizem que segundo dadas condições imperativo, permitido ou proibído uma dada acção.

2) Qual a orientação ética que tento seguir na minha vida?

Eu tento seguir o imperativo categórico desenvolvido por Kant. Desde que o conheci à mais de 2 anos tento segui-lo. Embora mesmo antes de o conhecer agia mais ou menos segundo essa lei ética.

3) O que diz o imperativo categórico?

Traduzido para português significa mais ou menos: "Age segundo os principios das quais desejas que sejam também lei geral".
Ou numa linguagem mais simples: "Age da forma da qual desejes que toda gente se comporte". Aqui a palavra "desejes" é crucial, porque muitas vezes houvimos a frase "eu fiz isto porque toda a gente o faz", ora nesse caso não é seguido o imperativo categórico porque neste caso o sujeito não faz aquilo que deseja que toda a gente faz, mas sim o que toda a gente faz, o que é uma grande diferença!

Kant disse uma vez a bela frase: "Admiro cada vez mais o milagre que são as estrelas no céu e a lei moral em mim" (isto está um bocado mal traduzido).

4) Uma leis ética que é corolário do imperativo categórico

Existe outra lei ética que é derivado do imperativo categórico que já conhecia antes e que tentei e tento seguir, a qual é:
"Não faças ao outro que não desejes que ele/ela faça a ti".
Esta lei também é poderosa, i.e. é aplicável a uma enormidade de situações que surgem na vida. Mas o imperativo categórico aínda é mais poderoso.

5) Vernunft

Base da filosofia de Kant é o pressuposto que o ser humano é um Vernunftwesen, traduzido para português isto significa mais ou menos que é um ser racional.
E é aqui que se encontra talvez a maior limitação do categórico imperativo. O ser humano tem uma inegável componente irracional e impulsiva que muitas vezes vai contra a lei ética.

6) Problemas na minha aplicação das normas éticas

Uma questão que me sempre ponho é a de onde eu acabo e onde começa uma outra pessoa? O problema é que esta questão tem diferentes respostas de pessoa para pessoa. A solução que costuma aplicar é a de usar estimativas por defeito, ou seja eu reduzo a minha interferência noutra pessoa ao mínimo.
Esta abordagem está-se a revelar problemática, porque é bastante limitadora para as minhas relações sociais.
Portanto terá que ser revisto, embora que aínda não sei como...

7) O questionamento do imperativo categórico

Está a ocorrer uma dada situação em que como consequência dessa para o resto da minha vida um colega meu recomendou-me a violação do imperativo categórico, ou seja recomendou-me que eu faça a outras pessoas uma coisa que eu não gosto que as pessoas façam comigo, tendo em conta que toda a gente o faz e que portanto faz parte da espécie humana.

8) Questões

Será que a minha orientação ética deve ser questionado, ou seja o imperativo categórico deve ser posto em questão?
Se a resposta à pergunta anterior for afirmativa, existem outras linhas de orientação éticas robustas e abrangentes que poderão representar uma alternativa ao imperativo categórico?

Eu sei que este post é bastante abstracto, mas eu gosto assim. Neste aspecto eu sou um bocado o oposto do ouriço que gosta de escrever coisas concretas. :)

3 Bitaites:

Anónimo mandou o bitaite...

finalmente!!!!!!!! voltaste de um grande hiato!!!
bem vindo!! abstracto ou não!!!!!!!

Anónimo mandou o bitaite...

simplesmente ... fantástico ...

Soren Kirkgard mandou o bitaite...

Sim alemão, podes tirar mais de uma bolsa de Ketchup no Mcdonals,vai por mim...