quarta-feira, setembro 07, 2005

Presidenciais!

Image hosted by Photobucket.com
Em inícios de 2006 o país vai defrontar-se com as eleições presidenciais, no qual se irão bater dois históricos da nossa política! São eles Cavaco e Soares!
O primeiro, foi ministro das finanças e primeiro ministro durante dez anos! O segundo também já foi primeiro ministro e presidente da republica! Este dois dinossauros da politica estão de volta para um dos mais aguardados embates políticos!
Não me irei pronunciar sobre a minha tendência de voto porque julgo que já sabeis qual é! No entanto eis algumas características dos visados:
Soares é gordo, cavaco é magro!
Soares tem cara de bolacha, cavaco tem cara de pau!
Soares anda em cima de tartarugas, cavaco sobe coqueiros!
Soares já foi fixe, cavaco comeu bolo de rei com a boca aberta!
Soares é velho, cavaco não é propriamente um jovem!
Soares a andar de elefante na India...
Soares a falar francês...
Soares, na altura Presidnte da República, numa Presidência Aberta quer experimentar um engarrafamento em Lisboa na hora de ponta. Um GNR apercebe-se que é o autocarro presidencial e tenta abrir o trânsito. Mário Soares manda-o chamar e diz: 'Ó Senhor Guarda, Desapareça! Desapareça homem!'
Está aberto o debate!
Alexandre Areias.

20 Bitaites:

Mike Moore mandou o bitaite...

malha= mullah?

Tóchã mandou o bitaite...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Tóchã mandou o bitaite...

É uma vontade involuntária ,esta que tenho, de ripostar a este teu post ,que se diz neutro; o chamado dever da resposta que essas linhas bem merecem. É que conseguir pôr em pé de igualdade - em actividades politicas que exercem ou exerceram ,num empate a dois- e fazer comparações entre um senhor e aquela coisa desmaiada, é obra de uma visão menor sobre a nossa politica - aliás como a daquele da tua tendência de voto- da quase segunda metade do século passado e o que já vai deste, e menos de uma vintena de anos do outro. Se lhe quiseres acrescentar mais uns anos de actividade política ao segundo, terás de contabilizar os anos seguintes à sua governação e os seus efeitos nefastos e mesmo mórbidos (estão já alguns de vós a rir e a pensar -lá está ele a falar dos cadaveres que saíram das "brilhantes" obras de engenharia ,os IP's, a bandeira da sua estadia no Palácio de S. Bento, agora com piscina) do desaproveitamento dos dinheiros comunitários em politicas de betão e asfalto mal conseguidas, direccionamento dessas mesmas verbas para actividades no sector primário, secundário e terciário - neste,relembro aqui a proliferação cega e bárbara de universidades privadas e politecnicos - arcaicas ou despropositadas. É que além disso, onde teve essa personagem depois de deixar de ter salário político? Onde esteve a sua intervenção tão importante - já que o considerais um politico de referência - nas crises que foram existindo? Não é esta uma exigência a um Presidente ou aspirante? Certamente enclausurado no seu gabinete - como o fez durante o seus mandatos, por isso não é reconhecido nem tem influência em nenhum circulo politico ou outro na Europa ou restante planeta,que aliás, importa também a um chefe de estado. Saiu do seu gabinete na sua campanha para o lugar que agora, certamente, se irá apresentar e na qual levou em votos uma reprimenta - dos tais dez anos de que falas - que o deveria deixar ficar entre aquelas quatro paredes até que o viessem buscar, quem sabe também caído de uma cadeira.

Tóchã mandou o bitaite...

desculpem, saiu assim, dessa tal vontade que não consegui controlar, quem melhor me conhece naturalmente percebe que nestas,não amenas "cavaqueiras", não consigo deixar de tentar ser uma luz que ilumine - alguns - para o nosso (Portugal) grande problema para além do estado novo, na minha modesta opinião, dos tempos modernos. No entanto, considero prematuro falar de presidênciais, ainda mais quando temos as Autarquicas nas ruas, esse baú que podemos e devemos explorar. Haverá certamente candidaturas que merecem que nos debrucemos sobre elas, como outros bloguistas já deram um brilhante exemplo. Para quem ganhou ideias disso, vou deixar aqui registado ,que desta, não faço parte de nenhuma candidatura. Nesta senda, prometo trazer para aqui, as razões que levaram o candidato Joao Paulo Matias (PS) à Camara Municipal de Trancoso, escolher ,entre outros, o seguinte slogan "JOÃO PAULO MATIAS CORTA O VENTO ÀS FATIAS".

jõao de Mendia mandou o bitaite...

Mário Soares é um dos grandes, senão o maior logro gerado pelo 25 de Abril. Tem-se vindo a manter a ideia de atribuir à pessoa de Mário Soares exactamente aquilo que ele não foi, nem fez. Convencionou-se que Soares é um democrata, mas não é, embora pareça. Convencionou-se que Soares é um bonacheirão, boa pessoa e cheio de charme, mas só o charme é que estará certo, exactamente naquela medida em que um Profírio Rubirosa o usaria para auferir sinecuras pelos meios que se conhecem. Convencionou-se que Soares está na base de uma descolonização exemplar e de ter feito dos cravos a nossa revolução mas, o que se passou, foi, e é, dramaticamente o contrário. Convencionou-se, ainda, que é a Soares a quem se deve o isolamento do comunismo e a opção pelo que se veio a instalar no nosso país e a que vulgarmente se tem chamado democracia, mas não é nem uma coisa nem outra. Convencionou-se, também, ter sido Soares um dos grandes impulsionadores da nossa entrada para a Comunidade Europeia, o que, sendo certo desta vez, fê-lo da pior maneira e pelo pior processo, como adiante se recordará. Soares passa por ser um homem de cultura, estudioso que sempre terá sido não se sabe bem de que temáticas, mas, a realidade, é Soares tratar-se de uma pessoa de uma esperteza pouco mais que vulgar, que recorre a banalidades e a lugar comuns debitados de cátedra e em registo grande eloquente que lhe virá da circunstância de quase todos o bajularem e poucos, ou nenhuns, o contestarem. Com frequência são ainda atribuídas a Soares operações cuja irregularidade se assemelha a de outros que, por isso mesmo, estiveram, ou estão, a braços com a justiça ou mesmo a cumprir tempo de cárcere. Mas, passado todo este tempo, urge atribuir a Mário Soares aquilo pelo que é responsável, dado que lhe acabam de passar 80 anos por cima e ser já tarde para se deixar de insistir num estatuto ridículo e quase magestático que ele próprio fomenta, usa e abusa para tudo e mais alguma coisa.

É hoje público que, pouco tempo antes do 25 de Abril, Soares esteve numa reunião com Cunhal, um dos principais estrategas de Bregenev, Ponomarev, e outros, em Paris, onde ficou decidido dar-se início ao que viria a ser um golpe de Estado em Portugal. Já não incentivando o terrorismo no Ultramar, mas preparando o golpe na própria sede do poder em Lisboa. E isto porque a nossa política ultramarina estava a ser cada vez mais bem acolhida, tanto nos próprios territórios como, crescentemente, na comunidade internacional. ONU incluída. Sendo assim, os tempos e os modelos por que tinha que passar este golpe de Estado estavam longe de ser democráticos, assim como tudo o que se passou durante toda a longa fase criminal do PREC tem Soares como um dos responsáveis. Tudo isto teve a sua expressa anuência, para além de que estava bem consciente de que a União Soviética era quem ditava as regaras deste, e de muitos outros jogos. O verdadeiro programa, saído desta conspirata, que não, ainda, o do MFA que se alinhavou mais tarde, não podia deixar de ser do conhecimento e ter o aval de Soares.

Soares, contrariamente à verdade oficial, foi o principal e grande responsável pela maneira ilegal e ilegítima como se conduziu a independência de todas as nossas antigas Províncias Ultramarinas. Soares não tinha, nem ninguém, competência, nem muito menos autoridade para conduzir o processo de descolonização que se seguiu, que acabou por se revelar criminosamente desastroso. Há outros responsáveis, muitos, mas ele é o maior. Ora, para quem vive de dizer que é a democracia que lhe corre nas veias, apela-se para que o calem de vez e o julguem pelo que é culpado. A Pinochet, tem p6 anos e a gravidade de que o acusam é muito menor, a justiça não o larga.

Não tanto como hoje, mas já então, o que se lia na imprensa nada, ou quase nada, tinha a ver com a realidade da vida das pessoas nos territórios ultramarinos. Todos eles. A realidade da vida no Ultramar não era apenas diferente, era exactamente o oposto do que se dizia nos midea em Lisboa. O terrorismo estava vencido e a vitória deveu-se, não apenas à inteligente e corajosa acção militar, mas à rejeição espontânea e muitas vezes violenta dos grupos ditos independentistas por parte das próprias populações locais. Esta é a realidade. E Soares sabia-o melhor que muitos dado o exílio que teve em S. Tomé, onde se terá passado, mais uma vez, exactamente o contrário do que ele diz a toda a hora. Com frequência se ouve dizer a Soares que pouco terá tido a ver com a descolonização por sistematicamente ter sido ultrapassado por Melo Antunes, e outros, sabendo-se agora pela obra póstuma de Melo Antunes, não apenas as responsabilidades de Soares como a interferência dele em quase tudo. Chega mesmo ao cúmulo da desfasastes de tentar convencer as pessoas de que, se não fora a sua intervenção, os processos teriam tido aspectos ainda piores. Então, teve ou não responsabilidades? É revoltante e insultuoso ouvir o descaramento destas enormidades, sabendo ele, como poucos, das consequências daquilo que fez. Se não conseguia evitar o que agora admite ter tido algumas falhas, então que se tivesse demitido. Mas não se demitiu. Soares era o ministro dos Negócios Estrangeiros, e era com ele, e através dele, dado que não havia ainda Bruxelas para impor compromissos, que se definia e aplicava a nossa política externa. Muitos lhe chegaram a pedir, populações e quadros africanos inclusive, para que adiasse as independências por se prever com facilidade a inevitabilidade do horror de uma tragédia que se anunciava. Soares nada fez. Insistiu mesmo com as independências de todos os territórios, mesmo naqueles que ele sabia melhor que ninguém, que pereceriam sem o apoio da Metrópole, como Cabo Verde, Timor e S. Tomé. E em Angola, por exemplo, para já não falar na tragédia de Timor, e da Guiné, as últimas e dramáticas contas elevavam a cerca de 3 a 4 milhões de pessoas, portuguesas muitos delas, mortas e assassinadas à mão directa e indirecta dos responsáveis pela independência e descolonização. E digo isto porque é frequente Soares abusar do argumento de que não será responsável pelo que se passou depois da independência, remetendo isso para as novas soberanias, o que não pode ser mais farisaico e demonstrativo do carácter e da sensibilidade que não existem neste personagem É que a responsabilidade mantém-se para lá da independência, como é óbvio, quanto mais não seja por todos saberem que os acordos de Alvor foram feitos à pressa, na madrugada anterior por Almeida Santos, que tinha de África dezenas de anos de experiência, e sabia, assim como Mário Soares e melhor que ninguém, que o acordo não duraria mais que umas escassas horas. Não era possível, mesmo. Como não durou. Mas eram os compromissos com a bandeira política do marxismo comunista e socialista da altura, e outros, que se saberá um dia, tarde temo eu, de onde viriam e de que é que consistiriam.

manuel (o fraco) alegre mandou o bitaite...

um fachista e um faquir. e não preferiam um poeta?

Helena Roseta mandou o bitaite...

Vem aí outra vez o Nino Português!

“O Mário é um monarca caprichoso e arrogante, que sacrificou amizades, princípios, valores, lealdades, coerência, o partido e os interesses do País, à sua ambição longamente calculada de vir a ser Presidente da República” – Quitéria Barbuda in “O regresso do Patife”, Revista “Espírito”, nº16, 2005.


Portugal é definitivamente um país do Terceiro Mundo, que tem Leis que permitem que um fora-da-lei se candidate à eleição para o mais alto cargo da Nação.

Vejamos o seu Currículo:

- Papa Doc quando era Primeiro-Ministro teve ligações perigosas com Kadhafi.
- Alpeida Santos foi o impulsionador e accionista das sociedades anónimas que receberam “donativos” e “contribuições” de mafiosos.
- Papa Doc só se exilou em Paris depois de garantida a sobrevivência como consultor do Banco d’Outre de Manuel Bullosa.
- “Papa Doc comentou que os que estivessem com ele nunca teriam razão para se arrependerem desse apoio, enquanto que os outros se ‘lixassem’ “ – Rui.
- Papa Doc só não aceitou o convite do director de campanha de Marcello Caetano, Guilherme de Mello e Castro, para integrar as listas da ANP, em 1969, porque pretendia a garantia de um lugar no Governo.
- “O Papa Doc é um pobre vaidoso sem uma verdadeira noção dos acontecimentos históricos em que participava” – Tony Benn, Londres, 1994.
- Na madrugada do dia 25 de Novembro, enquanto as forças democráticas se preparavam para o confronto com os sial-fascistas, o Mário pirou-se com a família para o Porto. Quando as forças patrióticas declararam vitória, o Papa Doc veio a correr para Lisboa reclamar os louros e declarar-se líder da Democracia.
- Soares sempre nutriu um indesfarçável embirração por Guterres.
- Quando foi Primeiro Ministro e fez um ano de Governo, o Mário ordenou a publicação de um livro intitulado “Vencer a Crise, Preparar o Futuro”, com 50 mil exemplares, pagos pelo erário público. Foi um livro revelador das tendências absolutistas de Soares, que tinha muitas semelhanças com as publicações dos regimes despóticos, com elogios ao chefe, acompanhado de inúmeras fotos do Mário, revelando a sua avassaladora e imodéstia omnipresença.

“Papa Doc foi sempre obcecado pelo poder, e por isso nunca o descentralizará”

Maria de Belém mandou o bitaite...

O homem tem uma relação doentia com o poder. Ele simplesmente adora ser o "rei", o centro das atenções, o manipulador, o bajulado. Independentemente das suas ideias (algumas das quais, como o seu primário anti-totalitarismo, foram úteis a Portugal nos anos excessivos da Revolução), Soares é um animal da política. O problema com Soares é o problema de qualquer animal: o que é bom para ele não é forçosamente bom para o meio em que habita, pense ele o que pensar.

A função de Soares vir a jogo é interpretada de duas formas. Uma: enquanto serviço prestado ao PS num momento difícil -- o que é para rir pois historicamente o PS existiu para servir Soares e não o contrário, sendo ilegítimo admitir que algo tenha mudado. Neste delírio interpretativo, a que aderiram alguns cronistas sem outra inspiração, o Governo é o grande beneficiado pois a candidatura de Soares "tapa" os problemas do executivo ao ocupar, com o estrondo que habitualmente caracteriza a forma de Mário Soares actuar em público, o espaço mediático. Uma (quase certa) derrota seria a derrota de Soares e não do partido nem do governo. E mesmo nas pobres autárquicas os resultados tornaram-se pouco menos que irrelevantes. Respira Sócrates de alívio.

Segunda forma: em vez de bocejar nos programas de televisão e arrastar-se pelas cadeiras da sua fundação, Soares vi uma oportunidade de regressar à arena de que tanto gosta.

Acredito nesta segunda via. Como ninguém na esquerda tem tomates para dizer não a Mário Soares, e como a política de vistas curtas que é hoje característica obrigatória dos governantes faz Sócrates optar pelo mal (para ele) menor do mínimo de mossa na sua imagem (que Soares lhe garante em qualquer cenário), Portugal enfrenta um problema inesperado e indesejado.

Cito Roseta: «há muita gente, de todas as gerações, que gostaria de intervir politicamente e não se revê no manobrismo partidário. Isto está a ficar demasiado afunilado».

E está. Pelo que faço uma sugestão e um apelo.

Sugiro que nos quotizemos para oferecer a Mário Soares uma Playstation e o "Political SimCity 3", a ver se desampara a loja aos portugueses. E apelo aos portugueses que ainda acham a dignidade um valor, para que opinem, exijam, demandem, argumentem, peçam a Alegre e a Cavaco que travem o combate da dignidade nas próximas presidenciais.

Tóchã mandou o bitaite...

O que eu estava à espera! Afinal tinha razão quando dizia que pretendia iluminar mentes, do ponto de vista político, sobre um algarvio que passou dez anos no nosso Palácio de S. Bento. Pensa por ti, não deixes que te coloquem palavras na boca, emite a tua opinião e argumenta porque esse algarvio ,é, e foi de facto fantástico. Se transcreves as palavras de um retornado, que estava a enriquecer em Africa à custa de abusos a seres humanos aos quais essas terras pertenciam, e que foi mandado chamar à realidade, para uma vida que não passa por beber cucas, pôr-se em cima de aborigenes e maltrata-los, é obvio que não gostará de Soares, e atrevo-me mesmo a dizer da revolução dos cravos.
Mais! Achas meu lindo, que são estas eleições em que se pode julgar a actuação, boa ou má, de Soares na descolonização, ou da sua actuação nas imediações do 25 de Abril? Também sobre isso foi já julgado em vários sufrágios a que se submeteu, e não neste a destempo (eh eh). Talvez tenha actuado mal, não sei, mas também agora já não me interessa, pois ele sobreviveu politicamente a isso, quando os portugueses - que viveram de perto esses factos - o podiam já ter aniquilado multiplas vezes. Não o fizeram, bem pelo contrário. Não sou soarista (muito menos filiado no PS, certo??) nem tão pouco acho que Soares fosse neste momento o melhor PR para o país. Eu era um acérrimo defensor de um Presidente Poeta, já neste blogue o tinha escrito. Mas os senhores do (teu) Partido Socialista acharam que deveriam lançar Soares em vez de Alegre. Fizeram bem ou mal? Não sei, apenas sei, que para derrotar esse tal algarvio, vale tudo!!!!

joão soares mandou o bitaite...

se o papá ganhar e morrer, fico eu presidente? foi o que percebi do que disse o fraco alegre, quando falava em república, que era a favor da república e essas cenas...
E já agora,
Violem a Judite de Sousa, se fazem favor!

velho mandou o bitaite...

Apesar de ser filiado no partido socialista não quer dizer propriamente que concorde com tudo com que eles façam! Não deixo que um grupo de indivíduos do largo do rato me acorrentem o pensamento! Não me vejo obrigado a votar Soares só pelo facto de ser filiado no PS. E acredita que não sou o único!
Abomino a personagem! Já esteve muito tempo em Belém e não vejo nenhum motivo credível para que volte a por lá os pés! Se fosse a favor da monarquia ainda poderia pensar em apoia-lo! Mas não, como disse o poeta Manuel Alegre, acima de tudo sou republicano! Viva a republica! Viva Portugal!

Tóchã mandou o bitaite...

Claro. Não quis dizer que tivesses de acorrentar (deixemos isso ao Pedro Abrunhosa e Isabel Figueira, que o fizeram tão bem) o teu voto ao facto de seres filiado, ainda mais numas presidênciais. O modo que cada um vê a sua filiação e militância nos partidos é com cada qual, supostamente, aqui, tratam-se de candidaturas pessoais e não partidárias.
Essa da monarquia, João, também ainda não percebi realmente. Se alguem se prestasse a esclarecer. Parece-me que possa ser engraçado!

O rapidinhas mandou o bitaite...

As 13 melhores mentiras sobre Cavaco Silva

> Foi o melhor primeiro-ministro de Portugal nos últimos 30 anos.
> É honesto, corajoso, sóbrio e sensato.
> Não é demagogo, ostentador e intolerante.
> Ama verdadeiramente o seu país.
> Tendo sido vítima de um presidente "bloqueador" não cairá no erro de encarnar esse papel.
> Está em sintonia com as linhas essenciais da acção deste governo.
> Sabe perfeitamente qual o rumo de que Portugal actualmente necessita.
> Tem perfeita consciência e conhecimento real dos problemas que afectam o país.
> É um self-made man que subiu na vida à custa do seu esforço.
> Tem sensibilidade para questões sociais, ao contrário do que se apregoa.
> Não assumiu recentemente posições sectárias nem truculentas, nem mostrou evidente admiração pela acção política desenvolvida pelo Bloco de Esquerda.
> Não tem uma visão maniqueísta do mundo.
> Tem um percurso pessoal, académico e político extremamente coerente.

Paulo Alemão mandou o bitaite...

Considero completamente absurdo a re-candidatura de Mário Soares. Pela lei um Presidente da República não deve manter-se mais que 10 anos seguidos na sua posição. Em termos legais Mário Soares pode candidatar-se à Presidencia da República, mas considero essa candidatura éticamente dúvidosa...
Quase fica-se com a impressão que Mário Soares é fanático pelo poder...

Óscar Schindler mandou o bitaite...

hhumm, nota-se ainda alguns resquícios nazistas na educação (percurso escolar) deste rapaz...

Óscar Schindler mandou o bitaite...

just kidding ,Ger !!!

afesta3 mandou o bitaite...

oi ppl!!!

Voto em branco mandou o bitaite...

Senhorães, recebeste o cd-rom???

Carlos Ramos mandou o bitaite...

Recebi! Uma cegonha trouxe-o de Paris! Vinha cansada! Deixei-a repousar num poste de electricidade que tenho no meu quintal! Ansioso dirigo-me para a minha aparelhagem para o ouvir! Qual o meu espanto ao verificar que o cd que esperava há tanto tempo estava como o teu nomne! Em branco!

el desdichado mandou o bitaite...

Sim César, chegou hoje.
Muito obrigado!